quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Alguns estandes...

Na manhã de hoje transmitimos ao vivo alguns estandes. Entre eles, o da PenzSaur.



O da John Deere, é claro.



E o da Makita. Aliás, makita é sinônimo de serra mármore. E para quem não sabe, também tem uma linha completa de serras, motoserras e equipamentos para jardinagem e florestas.

O André e o Lafayete nos receberam no estande que foi montado em parceria com a Casa das Furadeiras, representante da marca em Curitiba-PR.



Nossa participação...

A Painel Florestal, mais uma vez, está presente em um grande evento. Nos orgulhamos do nosso trabalho. Aliás, três coisas fazem parte da nossa conduta: motivação, responsabilidade e dedicação.

Estamos produzindo muitas reportagens que, depois, levarão conhecimento e informação através do nosso portal e do programa de tv.

Hoje, vamos transmitir a ExpoForest direto dos maiores estandes mostrando as novidades, os visitantes e os diretores das grandes empresas.

A organização do evento está satisfeita com a nossa participação. De fato, conseguimos ampliar muito o alcance de feiras, seminários, congressos, enfim, qualquer evento florestal.

Algo que fazemos com orgulho. Somos pioneiros e temos certeza que há muito valor nisso.



Uma imagem do nosso pequeno estande. Nossa base. De onde atualizamos o portal, o blog e também onde estamos recebendo clientes, amigos e visitantes.

Bem, vamos ao trabalho...

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Encontro de amigos...

Associações coletivas e empresas da Abraf (Associação Brasileira de Empresas Produtoras de Florestas) estão reunidas em Curitiba (PR). Na pauta, a situação do setor florestal em cada região do país e as ações da Câmara Setorial de Silvicultura.



No início dessa manhã, nós da Painel Florestal, participamos da reunião e aproveitamos para apresentar o programa de tv.

As discussões continuam durante o dia todo. No início da noite, o presidente da Abraf, Fernando Henrique da Fonseca abre o Seminário de Colheita Florestal que também faz parte da ExpoForest.



A palestra do presidente da Abraf será transmitida ao vivo através do nosso portal.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Direto da Expoforest...

Mais uma vez a Painel Florestal está presente em uma grande evento. Dessa vez, viemos com a força máxima. Cobertura para o programa de tv, cobertura para o portal, cobertura para o blog, transmissão ao vivo.

Aliás, na sexta-feira à noite, vamos transmitir, na íntegra, o pronunciamento de encerramento da Semana Florestal Brasileira com o Ministro Reinhold Stephanes.

Compartilho duas fotos do estande da John Deere. Estamos revendo amigos e fazendo novos.





A feira está bem organizada. Os eventos técnicos estão agradando.

Arrisco a antecipar o final. Mesmo com tanta crise, o setor florestal continua mostrando sua força e a Expoforest será um sucesso.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Semana Florestal Brasileira!!


Estamos em Curitiba (PR). A Semana Florestal Brasileira reúne eventos técnicos, reuniões e uma feira de equipamentos. Empresários, acadêmicos, professores, prestadores de serviço e até a classe política devem passar pelo pavilhão de exposições durante essa semana.

Esperamos responder algumas perguntas ao final dela. Como a crise econômica vai impactar nesse setor? Quais são as expectativas para o próximo ano? Como as empresas estão se reordenando diante desse cenário?

O evento também será uma boa oportunidade para atualização profissional.

A Painel Florestal, mais uma vez, está com sua equipe em um grande evento do setor. A partir de amanhã, transmite ao vivo, flashes da Expoforest.

Até lá!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Boa vontade: governo do MS reduz pauta fiscal para carvão vegetal

No Brasil um dos setores mais atingidos pela crise econômica, sem dúvida nenhuma, é o siderúrgico. Os Estados Unidos pararam de comprar o ferro gusa brasileiro.

As exportações para outros países enfraqueceram. O consumo interno vai de mal a pior. Em Minas Gerais, estima-se que mais da metade dos alto-fornos estejam abafados. Quem está operando, está em marcha lenta. O cenário, no entanto, não é 100% pessimista. O pensamento de muitas empresas já está no pós-crise.

O setor vai se recuperar, isso é certo. Resta saber, quais estragos esse furação deve causar, principalmente, no início da cadeia produtiva do ferro gusa, onde estão os produtores de carvão vegetal.

A atividade, marcada por excesso de burocracia, gera empregos e arrecada milhões de rais em impostos. É assim em Mato Grosso do Sul, por exemplo. As dificuldade, no entanto, não são pequenas. Taxas, impostos, pautas fiscais inflexíveis, morosidade dos órgãos ambientais, leis confusas, pressão ambiental, tudo isso faz parte do dia-a-dia de quem produz carvão vegetal em Mato Grosso do Sul e em todo o Brasil O governo sul-matogrossense, no entanto, sinaliza com boa vontade.

Hoje (4), o governador André Puccinelli (PMDB) anunciou que vai publicar a adequação da pauta fiscal para o carvão vegetal. O preço do produto caiu pela metade nas últimas semanas.

Furiati: "a regulamentação demorou a sair"

Após um esforço conjunto do deputado estadual Diogo Tita (PMDB), do Sindicarv (Sindicato dos Produtores e das Indústrias de Carvão Vegetal de Mato Grosso do Sul) e do Sindifer (Sindicato das Indústrias de Ferro de Minas Gerais), o governo avaliou a situação e aceitou reduzir o valor de referência para a cobrança do ICMS.

Restam outros problemas. O crédito de quem investiu em reposição florestal em 2007 não poderá ser utilizado em 2009. A lei, que regulamentou a situação em Mato Grosso do Sul, não previa prazos mais adequados à realidade. De acordo com o representante do Sindifer, Luiz Eduardo Furiati, a regulamentação demorou a sair, o que atrasou os processos para utilização dos créditos. De qualquer forma, o presidente do Sindicarv, Marcos Brito acredita que as coisas vão melhorar.

"Hoje temos uma lei, do deputado Tita, que impede que as empresas produtoras de carvão sejam multadas enquanto aguardam, caso o licenciamento ambiental não sai dentro do prazo de 60 dias", ressalta.

Marcos Brito, preocupado com o futuro do setor.

De fato, a lei - quando entrar em vigor - deve acelerar os processos de licença ambiental e para carvoejamento na Secretaria de Meio Ambiente.

video

O desafio do setor agora é destinar parte da arrecadação da TMF (Taxa de Movimentação Florestal) para o fomento florestal de pequenas e médias propriedades rurais. Hoje, parte dos recursos arrecadados são destinados aos projetos de sustentabilidade das grandes empresas consumidoras.

"Somos todos empresários. Mas daqui a seis ou sete anos, seremos, no máximo, prestadores de serviços", reclama Marcos Brito. A preocupação do sindicato é para que o setor também tenha sua sustentabilidade e haja um fomento florestal direcionado aos pequenos e médios produtores.

Marcos Brito reforça: "Não dá para deixar o setor produtivo somente na mão das grandes empresas, das siderúrgicas". As siderúrgicas instaladas em Mato Grosso do Sul devem ser as primeiras do país a alcançar a auto-suficiência em matéria-prima florestal.